Num país lascado como o nosso ganhar oito mil é pouco

jul 04 2015 Published by under Zé do Bode

Fico aqui no meio do mato vendo esta porqueira de televisão, que não passa nada que presta, quando não é político ladrão, é horário político, quando não é isso, é morte, é atropelamento, é tragédia, é novela sem história, é história sem personagem, é programa que não acaba mais, mas nenhum me agrada. Sou da roça, do Sertão, sou pobre, sou de uma nação lascada, por isso sou lascado também. Hoje vi falar que têm pessoas por aí que ganham oito mil reais e que acham pouco, estão fazendo greve, protestando no congresso, querem aumentar seu bolso por mês em mais cinquenta e tantos por cento. Eu só recebo um tal de salário mínimo, sou pobre volto a afirmar, mas nem por isso deixo de ser feliz, passo no fio da navalha todos os meses, às vezes compro a prazo, outras vezes saio a pedir, mas digo de antemão, ladrão eu não sou não, ganho pouco, contudo desejo ir para o céu. Oito mil reais é pouco, pouco que nada, com oito mil reais todos os anos eu viajaria para o exterior, conheceria Miami, Canadá, Roma, Veneza, Barcelona… Oito mil é pouco, logo para mim, conte outra, vá morar em outro país, aqui com essa não, pais lascado como o nosso oito mil é salário para alto escalão. Quando vejo essas coisas na televisão chego a pensar que eles estão falando a verdade, ainda bem que se trata de programa humorístico, quase me derreti de ri. Povo esperto, tirou a Escolinha do Professor Raimundo do ar para por algo mais engraçado ainda. Onde já se viu oito mil reais ser pouco? Nem na China, quanto mais no Brasil lascado que moramos. Sou do Sertão, aqui nem água temos direito, meus dentes foram ficando pelo caminho, meus pés tem rachaduras que formigas já fizeram formigueiros dentro, quando penso que já vi de tudo, não é que vem os engraçadinhos com algo novo, ô povo criativo este nosso. Se acha que oito mil é pouco, por favor, não demore, venha a minha humilde residência e troque o seu ordenado pelo meu salário mínimo. Se vier tomaremos café, fumaremos cigarro de palha, jogaremos conversa fora, no final ficarei feliz e sorrirei a vontade com meu contracheque de barão. Não demore, venha mesmo, estou lhe esperando. De quando eu assistir esse programa passei a sonhar com oito mil reias, estou pensando em ir a Brasília pedir reajuste do salário mínimo. E aí, você que tem um salário igual ao meu me acompanha?

Crônica de Zé do Bode.

Comments are off for this post