A bebida mata mais do que se imagina

jan 25 2014 Published by under Poesia

bebado

Meu filho morreu

Meu filho morreu de pinga

Dizem que morreu feliz

Não pari um filho para morrer assim

Sonhava em tê-lo como grande Doutor

Um Cientista

Ou um professor

Jamais imaginei tal sina

É duro para uma mãe

Duro demais

Ao calabouço eterno encaminhar seu fruto

Carcomido pelo vício

Desorientado

Perturbado

Dilacerado o espírito

Sem saber sepultou-me uma parte.

Comments are off for this post