Sertão

ago 03 2013 Published by under Poemas

Sertão

O chão duro espera piedade
Galhos fantasmas a rogar ao céu
Caatinga inspira maldade
Sol rodopia feito carrossel.

A desnutrição roda os seres
Terra seca, mortes, força José
Faltando chuva falta às vezes
Comida, esperança, água e fé.

Não há nada de errado aqui
O Sertão sempre foi desta forma
Gostando de gelo busque outro país.

Sertanejo não fecha a porta
Acolhe todos sempre a sorrir
Amizade cultiva e gosta.

One response so far

  • Armando disse:

    Parabéns. Sugestão: musicado por Zé Moreno, por exemplo, o poema seria uma canção do nível de “Lamento Sertanejo” de Dominguinhos. Vale tentar.