Segura na mão de Deus

O povo brasileiro é bastante religioso e acredita muito na existência de Deus, mesmo os que dizem o contrário, os ditos Ateus, ainda assim quando a dor bate em sua porta o primeiro nome que vem a boca é “Deus”.

- Deus, me ajude a sair dessa enrascada que me meti!

- Deus, me cure desta doença grave!

- Deus, eu não quero morrer!

São algumas frases ditas por todos nós quando a missão é impossível ou quase impossível de se realizar.

Em uma comunidade da zona rural, certa pessoa começou a sentir algumas dores, o quadro no decorrer das horas foi piorando, quando os familiares sentiram que o enfermo não suportaria por muito tempo, resolveram procurar ajuda em um hospital. O problema é que o dito local se encontrava a trinta quilômetros de onde estavam. Buscaram um automóvel e colocaram o homem a gemer de dores dentro. O carro levando o doente foi à frente e logo atrás outros cinco. A estrada era de terra e cheia de costelas de vaca, se a doença não o matasse, certamente as pancadas o levaria ao além. Na metade do percurso as pessoas que acompanhavam o doente pedem ao motorista para que parasse o veículo, o homem estava morrendo. Os demais carros também pararam de imediato, todos os tripulantes encostaram para saber o que estava acontecendo.

- O que foi que aconteceu? – pergunta um dos irmãos do enfermo, estava aflito.

- O homem está morrendo – responde alguém.

- Vamos rezar para a alma dele – fala uma mulher muito religiosa.

Todos de mãos dadas começaram a cantar a seguinte canção:

- Segura na mão de Deus, segura na mão de Deus…

O enfermo no seu desmaio profundo ouviu ao longe as pessoas pedirem a ele para que segurasse na mão de Deus, o medo foi tamanho que ele arregalou os enormes olhos e gritou com toda força que ainda tinha nos pulmões:

- Deus é muito bom, mas eu não quero pegar nas mãos Dele agora não! Estou bem, estou bem! Me leve para o hospital.

Na dúvida entre o Céu e a Terra, sempre escolhemos o paraíso  que já conhecemos.

História baseada em um fato real que aconteceu em nossa região.

Comments are off for this post