Vídeo da magia da flores

nov 25 2015 Published by under Crônica, Poemas, Vídeos

Cebolinha-de-sapo

Fenômenos naturais estão por todas as partes do mundo estrelar, do simples ovo, aos olhos de quem já se acostumou, ao pinto que apareceu como mágica dentro do estranho objeto. O Sertão aguarda há meses pelas nuvens escuras e pesadas, o sol castiga o solo e as plantas, a naturalidade do ambiente segue seu curso rio sem alarde. Certo entardecer, uma ventania varre a vegetação, o céu limpo se enche de nuvens. O espetáculo vai começar. Todos em seus lugares. O relâmpago clareia o céu, o trovão ronca no alto da serra. O cheiro dos primeiros pingos na terra seca se eleva e corre pelos quatro cantos. Que aroma delicioso, doce, salutar. O barulho da chuva andando, não, correndo a me encontrar faz gelar-me o sensível coração. Os pingos d’águas tocam o chão quente e áspero erguendo poeira, parecem a pegadas de uma tropa de cavalos em disparada. O aguaceiro chega, toma tudo, engole os padecimentos, restitui a vida aos seres. A cartola se abre, dois, três dias e uma ebulição. O mato em galhos descobertos cobre-se de folhas, o capim volta a crescer, os passarinhos cantam felizes, a cigarrinha solta seu agudo hipnotizador. Em alguns lugares, a relva se faz baixa, o lírio do campo em um estalar de dedos forra o ambiente, seu perfume adocicado vaga gostoso pelo ar molhado da evaporação. Quanta beleza nessas florzinhas. O vento de tempo em tempo as agita, bailam em um balé sincronizado. O garoto ao ver tamanha fartura corre e se põe a colher, como vai à escola, na mão leva um lindo buquê branco para a professora. As flores das cebolinhas seguem felizes nas mãos da criança, por onde passa distribui o suave aroma. Como em um sonho de contos de fadas, como as orquídeas, no outro dia já cedo, o campo, outrora esbranquiçado, acorda deprimido, as florzinhas se foram, desapareceram da mesma forma que haviam chegado. O garoto retorna trazendo consigo alguns colegas, triste e sem entender vai à escola sem o ramo de flores. O enredo seguirá até o próximo ano, até a próxima chuva da temporada seguinte. Quem viu as florzinhas da cebolinha-de-sapo viu, quem não as viu ao vivo e a cores somente no próximo ano. Desde criança, todos os anos, após a primeira chuva, corro para o campo para apreciar tais flores e sentir o seu perfume singular, já não as levo mais para presentear minha professora, já não tenho obrigação mais de estar em salda de aula, deixo-as na Natureza, que é a maior e mais sábia de todas as educadoras que já existiu.

Assista ao vídeo dos Lírios do Sertão, ou Cebolinha-de-sapo:

Comments are off for this post