Tudo pelo Capital – Assumindo Riscos

dez 07 2016 Published by under Crônica

O mundo contemporâneo abriu uma nova etapa aos seres humanos, com desafios e oportunidades nunca vistas na história. Estamos em busca de um prumo para que nós possamos nos sustentar com sabedoria e destreza. As transformações já não acontecem à longo prazo, tudo gira tão rápido que nos parece girar à velocidade da luz. A primazia em realizar certo trabalho hoje, poderá não ter valor algum nos próximos dias. A sociedade passou a viver numa fluidez exorbitante. Tentamos apalpar algo e este algo é etéreo como o ar, existe aos olhos, no entanto não é físico. Neste mundo que se vai criando nascem necessidades as mais variadas possíveis. O consumo é o grande baluarte, ter para se sentir realizado. Na brevidade dos recursos terrenos temos a fosca noção de que jamais haverá escassez. A Terra é finita, finita são seus elementos constitutivos, finito também o é a vida que nela goza o prazer de existir. Nesta luta desembestada por angariar coisas, o homem se perde no embaraço das conquistas urgentes, esquecendo-se do próprio futuro, ou do vindouro dos filhos e dos netos. Para poder se impor à realidade da moda atual, ele se deixa acorrentar por práticas estranhas à ética, não medindo as consequências dos seus impensados atos. Não podemos julgar para não sermos julgados. Que cada um julgue seus próprios delitos, para isso recebemos da Criação a consciência. Buscar a eficiência jamais poderá implicar riscos anormais a seres postos a outros indivíduos. Se não podemos julgar a atitude de outrem, que outrem respeitem as normas de segurança para que não afetem a nós. A vida é um fio singular que pode se romper com o mais leve rufar do vento. Respeitando as normas sociais vigentes, sem ferir os códigos para conquistar vantagens indevidas, trata-se de um dos pontos centrais para uma convivência salutar entre os povos. Um erro no comando de uma tripulação poderá ocasionar uma gigantesca tragédia em proporção aos de filmes de ficção. Assumir um erro por mero capricho de provir a situação do bolso, levando um grupo a berlinda da sorte, se não é passível de julgamento, é de uma irresponsabilidade gritante. Que cada ser procure sempre não expor outros na sua fantasia por dinheiro e poder. Como o mundo não é perfeito, como somos propícios aos mais variados tipos de erros, realizar o que manda as regras do formulário é salvar a consciência de ser um perverso e exigente juiz.

Comments are off for this post