O mundo carece de amor e não de provocação

jan 17 2015 Published by under Crônica

liberdade

Em um mundo conturbado em que estamos metidos, onde há várias religiões, vários times de futebol, vários partidos políticos, várias etnias, várias divisões sociais; o respeito às diferenças se torna o remédio primordial para se evitar futuras desavenças. A Natureza é tão bela, a vida por si só é magnifica, mas insistimos em perder tudo isso em prol do poder e da riqueza.

A ilusão que a atual mídia nos dá consegue imprimir nos seres um fascínio pelos holofotes. Existem pessoas que fazem de tudo por alguns segundos no ar. A loucura tomou conta da população. Os meios de comunicação fazem um apelo e o povão marcha junto por um ato sequer meditado. A grande massa parece um rebanho de alienados, de zumbis guiados pelo primeiro que grita incessantemente nas tvs, nos rádios e na internet.

O momento é da liberdade de expressão. Coisa linda, liberdade, maravilhosa. Mas por onde anda ela mesmo? Em um mundo regido por bilhões de leis, falar em liberdade parece algo estranho. Em determinada rodovia uma placa alerta que a velocidade não pode ultrapassar os oitenta quilômetros por hora, muitos usam da liberdade, o governo também usa da sua liberdade para multar os infratores. As liberdades se chocam, uma ferindo a outra.

Para conter os ânimos da espécie humana somente leis severas. Não estamos acostumados a liberdade, quando a temos em abundância fazemos besteira. Deus nos deu à vontade para agirmos segundo nossas forças e aptidões, somos nós que escrevemos nossa história. Com a luz posta em nossas mãos fazemos dela o que bem entendermos. No sistema em que estamos inseridos, que o sucesso e a fama gritam em cada um, não importa os meios, o que vale é o resultado. O público louco por loucuras enlouquece com o humor depravado do século que estamos vivendo. Fazem apologia a tudo de ruim, e o pior, gozam de sucesso.

Se algum jornalista resolver criar um vídeo que talvez lhe dê o estrelato, que seja por um dia, um vídeo cômico, contudo de alto risco. Ele com uma câmera no capacete vai de encontro a uma colmeia e a golpeia com várias porradas. As abelhas sentindo à afronta cobrirão o invasor com milhares de ferroadas. O jornalista usou da sua liberdade para ferir as abelhas, as abelhas retribuíram a gentileza no mesmo nervosismo e veneno.

O mundo precisa de paz, amor e carinho. Todo ato de guerra, briga e confusão mostra nossa pequenez perante a grandeza da razão. Os animais usam dos instintos, nós humanos temos o pensamento. Devemos um respeitar os outros. Ódio gera ódio, destruição gera destruição, todavia amor faz florir amor, paz traz aromas suaves e doces.

A Terra entra no caos do terrorismo, não será colocando gasolina no fogo que resolveremos o problema. Se todos seguíssemos as palavras dos livros sagrados, certamente o mundo seria bem melhor, não haveria lutas, os homens não destruiriam a natureza, seriamos uma unida sociedade, o qual o lema maior seria o respeito a liberdade. A sustentação de tudo estar em saber onde começa e termina cada vontade. Se todos resolvêssemos usar dela a todo instante, haveria barbárie e nada mais.

Comments are off for this post