O Futebol em nossa região morre a cada jogo

mar 31 2014 Published by under Crônica

O esporte que tanto nos emocionava vem ao longo do tempo perdendo o apelo popular. Ao conversar com os antigos jogadores de Paramirim e Érico Cardoso sonhamos situações vividas por eles. Os relatos contados pelos mesmos falam de uma época em que havia amor pelo esporte, tempo dos campos lotados de torcedores, duelos vivos ainda nas mentes dos nossos veteranos.

- No meu tempo cada jogador comprava seu calçado. A bola e as camisas eram frutos do suor nosso. Para viajar às comunidades íamos a pé, a cavalo, quando longe de caminhão, passagem pagas pelos jogadores. Hoje o pessoal tem campo gramado, chuteiras, bolas, jogos de camisas e alguns ainda recebem para jogar, porém não há mais futebol. Tempo bom foi o nosso. Naquele tempo até os treinos de finais de tarde apareciam mais gente para assistir que nos dias atuais os estádios recebem para jogos de domingo – lembra certo senhor que não queremos divulgar o nome.

O Futebol entra no descrédito, na queda rumo ao esquecimento. Olhemos a Copa do Mundo, nas Copas passadas havia alegria pelas ruas, lojas enfeitadas, pessoas usando a camisa amarela, na deste ano, justamente na realizada em nosso querido Brasil, a grande maioria questiona o porquê de fazer um evento desta magnitude em um país carente em quase tudo.

Neste último domingo, dia 30 de março de 2014, ficamos triste ao saber que a grande Final da Copa Regional de Seleções não aconteceu. Alguém irá logo nos indagar: “Por quê?”. A equipe de Rio de Contas simplesmente não compareceu para a partida. Os dirigentes da citada Seleção devem ter suas desculpas, não motivos, para tamanha agressão aos torcedores, a imprensa, a equipe adversária, aos organizadores e aos políticos que patrocinaram o campeonato. Um ato pensado que mancha o “Espírito Esportivo”. O esporte é feito para dá exemplos, cumprir com os compromissos, não apenas visando uma vitória. Rio de Contas havia vencido a primeira partida jogando em casa pelo placar de um a zero, só precisava de um empate em Livramento. Por que não compareceu? Ficou com medo de perder? Não sabemos.

No meio esportivo a depender do derrotado o mesmo sai mais vitorioso que o próprio campeão. Quem não se lembra de Vanderlei Cordeiro de Lima, que ao ser atrapalhado por um indivíduo acabou ficando em terceiro na prova, seu humilde e brilhante gesto emocionou e levou muitas pessoas às lágrimas, até hoje é lembrado por muitos, enquanto o vencedor sequer se sabe mais o nome. Cada episódio é um ensinamento que a vida nos dá. Hoje olhando para o Campeão Michael Schumacher ficamos a imaginar, quantos títulos, quantas vitórias, quanto dinheiro, todavia, como brasileiro, só conseguimos olhar para ele como uma pessoa dotada de grande potencial e que deixou, de forma contrária ao esporte, se levar pela pilantragem. Aqueles: “Diminua a velocidade (Massa ou Rubinho) e deixe Michael Schumacher passar”. Atitudes que borraram a bandeira da Formula Um. O Grande Campeão não precisava daquelas manobras, mas por vaidade e vontade de se colocar no topo usou de tais mecanismos, uma pena para alguém com tamanho talento.

Fonte wikipedia.org: “Durante o encerramento dos Jogos, foi anunciado que por seu feito, seu espírito esportivo em continuar na disputa mesmo sendo atacado e a humildade demonstrada após a prova, Vanderlei seria agraciado com a Medalha Pierre de Coubertin, concedida pelo COI para atletas que valorizam a competição olímpica mais do que a vitória e que é considerada uma honra elevadíssima atribuída pela entidade. Ela lhe foi entregue numa cerimônia no Rio de Janeiro, em 7 de dezembro de 2004, numa cerimônia oficial em sua homenagem com a presença de seu benfeitor grego, Polyvios Kossivas. Na mesma cerimônia, ele também foi escolhido como “Atleta Brasileiro do Ano de 2004″. Antes de Vanderlei, o último atleta a receber a homenagem tinha sido o velejador canadense Lawrence Lemieux, que nos Jogos de Seul 1988 abandonou a disputa de sua prova na classe 470 para salvar outros competidores que haviam caído ao mar depois do barco deles ter capotado. Dois outros atletas a receberam postumamente, o tcheco Emil Zatopek e o alemão Luz Long”.

A Seleção de Livramento levantou o troféu de Campeão ao vencer a partida no WO. O papelão armado pela Seleção de Rio de Contas mostra a real situação do Futebol em nossa região. Quando se realiza uma competição entre Seleções, entre Ligas, o que jamais poderá acontecer é atos infantis que nos lembram intrigas de crianças.  “Se você não jogar do meu lado, eu fico de mal”. Olhando as fotos vemos os Árbitros da Federação Baiana, a Polícia presente, os troféus ofertados pela Federação, tudo arrumado para o grande evento, contudo uma das Seleções se achando acima dos demais sequer aparece para o espetáculo. Se Deus nos desse o poder de voltar no tempo, não tenha duvidas, voltaria para viver com aqueles que de fato amavam o Futebol.

Aperte aqui para ver a matéria: Seleção de Livramento é a campeã da Copa Regional de Seleções.

2 responses so far

  • Raimundo Sucupira disse:

    Quando fundei um Time chamado Juventude,Juntamente com o Amigo Marquinhos,alias,o Melhor Time da Época,pois tinha os Melhores Craques de Paramirim,Dentre eles,Chuviá Merica,Clecio,Ailton,Coquinho,Duinha,Nininho,Gerson,Pom,Neto de Galego,Luiz,Clebinho,Gilson,Paulo,Ró e tantos outros,foi no intuito de Incluir a Juventude no Esporte,pois a Juventude as Pessoas queiram ou não,são quem vão assumir as Responsabilidades no Futuro.Dado que,não podemos em Hipótese alguma,Secar esse Sonho da Juventude,sob pena de Pagarmos o Preço.O Alcoolismo e as Drogas que os Diga…

    Raimundo Sucupira

  • Raimundo Sucupira disse:

    Para mim que joguei Futebol,que fui Treinador,que apitei,que atuei em todas as áreas desse Esporte,estou muito triste desde 79,vê o que esta acontecendo ao Esporte de nossa Terra e Região nos deixa muito triste.É sinal que a coisa não esta andando muito bem,essa Historia de Pessoas acumulando muitas funções não tem surtido o efeito que todos temos esperado,alguma coisa tem que ser feito,o primeiro passo é chamar a responsabilidade aos Jovens,Eles sim,tem que colocados no Centro do Projeto,ou corremos o Risco de da um tiro no pé,ou melhor,uma Bola fora….

    Raimundo Sucupira