Natal no Sertão – Poesia de Cordel

dez 21 2018 Published by under Cordel

natalbill

Assista ao Vídeo:

Natal no Sertão

***

Vasculho na minha mente

Reminiscências passadas

Do tempo que era criança

Nas terras secas e bravas

Época das brincadeiras

Quando tudo me encantava.

***

Era eu um garotinho

Pobre sem nenhum tostão

Vivendo feliz com pouco

Nas terras secas do sertão

Desconhecendo o mundo

Alegre por comer feijão.

***

Onde morava sabemos

Que dura era a terra

Que vida se compra por dia

Todo momento uma guerra

O ser precisa ser forte

E a alma ser como pedra.

***

Meu pai sempre me falava

De uma data especial

Tempo de muita produção

Frutos a brotarem nos paus

Dos meses do fim do ano

Daquele que tem o Natal.

***

Quando Papai Noel vinha

Com seu saco de presentes

O sertão se agitava

Mudava-se de repente

Água jorrava das nuvens

Para alegria da gente.

***

O natal era bonança

Café da manhã com leite

Cuscuz, batata e beiju

A campina toda verde

Os açudes a derramar

O meu cochilo na rede.

***

Não era natal de presentes

Das festas que passei a ver

Quando fugir para o sul

Era a vida e seu renascer

Vencendo a tristeza

Pondo sustança no ser.

***

Eram dias de privações

A seca a nos engolir

Padecimentos diversos

Espinhos finos a ferir

Bastava o natal chegar

Para a vida voltar a florir.

***

Quando Noel batia à porta

Que a chuva molhava o chão

A vida se modificava

Pelo terra uma explosão

Na mesa tinha de tudo

Leite, arroz e requeijão.

***

O galo cantava feliz

Mugia no curral a vaca

Passarada fazia a festa

Na terra ia a enxada

O rio voltava a ter som

O viver era uma graça.

***

Por isso amo o Natal

É o mês da fartura

Tempo de alegrias várias

Não cabe o peito amargura

A vida corre suave

Os dias feitos pintura.

***

Entendeu o nosso Natal

Natal de um sertanejo

Alegria de voltar a ter

Espantando o desespero

Dos meses de faltar tudo

Até o ínfimo tempero.

***

Se ora alguém perguntar

De qual natal eu escolher

Escolho o do meu sertão

Quando a graça era viver

Vencendo cada minuto

Se virando para comer.

***

Papai Noel era as nuvens

O presente a água do céu

Nossa ceia o ambiente

Todo pintado a pincel

O verde cana brilhante

Como desenho no papel.

***

Por aqui vou me despedir

Com amor no meu coração

Curtindo o que Deus me deu

Nesta gostosa estação

Nas terras encantadas

Do meu formidável sertão.

***

Autor: Luiz Carlos Marques Cardoso.

Comments are off for this post