Quero greve dos Professores

mai 25 2014 Published by under Contos

aluno

- Alunos, caso o Sindicato da categoria decida a favor da greve, amanhã não teremos aula.

- Graça a Deus! – grita Pedrinho feliz da vida.

- Por que essa alegria toda, Pedrinho? – indaga a Professora.

- Sem aula poderemos brincar a vontade. Tomara que o Presidente não conceda suas reivindicações.

- Você está doido, menino! Não fale uma coisa dessas. Estudar é muito bom.

- Ensinar é bom, Professora? A senhora mesmo não cansa de dizer que se encontrasse outra profissão nunca mais lecionaria.

- É diferente.

- Já aprendi na escola o suficiente para se dá bem na vida.

- Já aprendeu!

- Já sim. Para que mesmo eu quero saber essas formulas malucas que nunca iremos usar? Regras que só servem para encher papel.

- O senhor está equivocado. A educação é a base de tudo. Só quem se dedica aos estudos é que tem um futuro de sucesso.

- Tem muitos políticos que pouco tempo passou sentando em um banco destes e hoje são milionários.

- Ter sucesso na vida não é somente ter dinheiro.

- Professora, eu já sei soletrar. Quer ver: b com a, ba; b com é, be; b com i, bi; b com o, bo.

- Esqueceu-se do B com u, bu.

- Sê tá doida, Professora.

Os demais alunos caíram na gargalhada.

- Deixe-me continuar, Professora. C com a, ca; c com é, ce; c com o, co; c com u…

- Pode parar, seu moleque atrevido! Não gosto de gracinha em minha sala de aula não.

Os alunos assobiavam, sorriam, gritavam, era uma festa só.

- Professora, não fique nervosa, a senhora sabe, amanhã será feriado. Amanhã no cedo estarei no rio a tomar banho. Deus, como o senhor é bom para as criancinhas!

- Só pelo que acabei de ouvir, minha opinião é que não tenha mais greve.

- Não pense negativo, Professora. Para que fazer amanhã o que se pode fazer depois? Quem trabalha muito é americano e japonês; brasileiro, só sonha com sombra e água fresca.

- É por isso que o Brasil está como está.

- Quem disse que eu trocaria meu paraíso por residir nas terras estressantes dos gringos? Quem trabalha muito é jumento. Pare e olhe para a cara de um pobre jegue, dá vontade até de chorar, pois só anda cansado.

- Nossa conversa já se estendeu demais. Vamos voltar à lousa. Doze mais doze?

- Vinte e quatro, vou ao banheiro e volto rápido – Pedrinho respondeu e saiu correndo porta a fora. Dor de barriga, ou mais uma do moleque travesso?

Comments are off for this post