Archive for the 'Uma Palavra Um Texto' category

Paralelepípedo

Paralelo

Paralelepípedo

***

Quero passar

Um pouquinho para o lado, por favor

Para a direita

Esquerda

Tanto faz

Estou com pressa

Saia já daí

Fale alguma coisa

Você é mudo?

Faça um movimento

Que rocha

Sem sentidos

Sem sentimentos

Por que logo em minha frente

Parada

Inerte

Passará a vida toda aí?

Que diabo de vida é esta

Uma pedra no meio do caminho

Alguém já disse isso antes

Será que foi com a mesma?

As pedras são todas iguais?

Ela me olha

Ela me escuta

Recebe insultos

Ignora os pensamentos dos outros

Vive no mundo dos paralelos

Em uma dimensão estranha

Paralelo ao nosso

Será que foi por causa desta pedra que se criou o mundo paralelo?

A rocha não fala

Mas nos colocam a pensar

Mesmo sem ser atirada em nós

Dá uma dor de cabeça…

É melhor eu desviar

Não

Vou por outro caminho.

Comments are off for this post

Lápis

Uma árvore centenária teve que ir ao chão, pássaros tiveram que perder seus ninhos, abelhas suas colmeias e o formigueiro esmagado pelo forte impacto se viram confusos diante a loucura desmedida e sem razão. Para que o lápis pudesse vir à vida foi necessária tamanha destruição. Um lápis, um simples lápis que na muitas das vezes o desfazemos, sem muito pensar, na primeira lata de lixo que encontramos. Agora estou a segurar um com a mão direita, logo abaixo um papel todo branco sorrir de contentamento. Papel! Quantas árvores tiveram a vida podada para dá vida a ele? Com a ponta afiada fere-se o que já fora uma planta, deixa nele marcas, tatuagens, desenhos: um passarinho, aquele mesmo que perdera o ninho na queda da velha árvore, uma abelha, a mesma que viu a colmeia ser destruída, a formiga, enfim nasce uma árvore da ponta do lápis, para encerrar, rabisca a morte. O papel é amassado, ganha formato de uma bola, com um gesto de jogador de basquetebol é arremessado na lixeira. Tudo se acaba no lixo… Da frondosa árvore se resume a uma pequena história, a isso.

Comments are off for this post

Uma Palavra um Texto

Marca

 

Um gato olhou para nós

Mostrou seus caninos

“Miauuuuu”

Balançando o rabo continuou a andar

Tão logo se perdeu na tinta escura da noite

Naquele momento aquela singela cena me marcou

Não sei o porquê

Já para os outros

Nada mais, nada menos do que um simples gato

Chegamos à conclusão:

Tudo toca

Tudo não toca

A música toca

A música não toca

Depende mesmo é do coração.

Comments are off for this post

Pensamentos

Hoje, absorvido por pensamentos gelados, outro totalmente contrário agasalho-me por um instante:

Ontem minha geração era jovem

Hoje somos adultos

Amanhã seremos idosos

E depois…

Pensamentos novos

Pensamentos maduros

Pensamentos velhos

E depois…

Aperte play e o fim se fará em começo.

Fácil, não!

 

Comments are off for this post

Livro

Inerte descansa

Sobre a mesa está

Espera tranquilo

Pois não pode gritar

Sou um livro triste

Pois quero ensinar

Um livro fechado

Para o mundo não dar.

 

Oh, meu pobre e querido livro! Lembra-te do tempo em que me ensinastes o bê-á-bá? Pois é, de lá para cá mudei bastante. Hoje estou crescido, mas sempre me recordo dos bons tempos ao lado de ti. Olhando-te vejo que não mudastes quase nada. Apenas tuas folhas foram castigadas pelas futricas do tempo e já se apresentam com uma coloração amarelada. Sabes dos novos acontecimentos que incorporaram no museu da história? Nesse pequeno espaço em que nos distanciamos, o homem foi a Marte, conhecemos nossos irmãos extraterrestres. Por isso é que eu vim, estou aqui para te tirar desse medonho e sombrio anonimato. Pelo mundo existem muitas crianças que precisam dos teus ensinamentos. Vamos, meu amigo, dissemine pelos quatro cantos da Terra o conhecimento necessário e essencial para que possamos um dia gozar da soberana e gostosa paz.

 

Um livro sempre aberto

E uma mente interessada

Dois fatores essenciais

Para uma escalada

No toque dos nossos dedos

No roçar do nosso olhar

Ele quer sorrir

Também o deseja chorar

Um livro aberto

Um mestre a lecionar

Aquele que quer

Sábio será

Tornar-se-á um livro

Jamais fechado

Eternamente escancarado

A disseminar

Conhecimentos tantos

Para o mundo evoluir

E o amor prosperar.

Comments are off for this post

Formiga

Formiga

Formiga

 

Solitária formiga

Pobre inseto

Sem saber

Sem conhecer

Corre

Pra lá

Pra cá

Corre da morte

Corre do pé

Corre.

Pobre formiga

Sem saber cantar

Sem saber falar

Vive

Vive pra lá

Vive pra cá

Vive sem medo

Vive sem paz

Vive.

Comments are off for this post