Archive for the 'Cordel' category

Dando vida a uma poesia – Cordel

nov 05 2016 Published by under Cordel

Assista ao Vídeo:

Dando vida a uma poesia

***

Para montar um verso

Uso da imaginação

A coisa vai surgindo

Com certa precisão

Ao final do contexto

Brotou do coração.

***

O que escrevo flui

Linha por linha

Não há método

Apenas ciscar de galinha

Letra seguindo letra

Borbulham do nada as rimas.

***

E assim canto o mundo

Pinto com cores de mel

Num vai e vem constante

Escrevo os sonhos no papel

Glorificando a beleza

Perfazendo o céu.

***

Como erguer uma casa

Constrói-se uma poesia

Começa com o alicerce

Procura a simetria

Com tijolos monta-se a parede

Com palavras nasce a magia.

Comments are off for this post

Dia do Professor – História de Sertanejo

out 15 2016 Published by under Cordel, Vídeos

Assista ao Vídeo:

Dia do Professor – História de Sertanejo

***

Na vida precisamos

Aprender para evoluir

Com ajuda de um mestre

Torna mais fácil o subir

Guiado por seus conselhos

Novas portas vão se abrir.

***

No bê-á-bá das palavras

Comecei a conhecer

As vogais e as consoantes

Também passei a ler

O mundo de outra forma

Na batida do saber.

***

Aplausos para o mestre

Alguém muito especial

Mesmo ganhando pouco

Doa seu potencial

Na vida dos alunos

Se faz essencial.

***

O que seria do mundo

Na falta do educador

Que leva à sala de aula

Conhecimento e amor

Muitos acham ingrata

A profissão de professor.

***

Neste dia tão importante

Data de muita alegria

O professor é reverenciado

Com afeto e simpatia

Num momento de carinho

Merecida honraria.

***

Se não for pedir muito

Pedindo apenas um pouco

Governos e governantes

Olhem para o seu povo

Remunerem os professores

Para a educação sair do sufoco.

***

Dentre as profissões

É a de maior precisão

Educar os alunos

É a principal missão

Fazendo as mudanças

Para a nossa evolução.

***

O dia é do professor

Quinze de outubro é a data

Ocasião para refletir

Dentro e fora da sala

No que queremos para a vida

E para a nossa jornada.

***

Quero aqui externar

Meus votos de agradecimento

Aos professores do Brasil

Com grande merecimento

Por ser propulsor do progresso

E disseminador do conhecimento.

Comments are off for this post

A coragem de um amigo – História de Sertanejo

out 12 2016 Published by under Cordel, Vídeos

Assista ao Vídeo:

A coragem de um amigo

***

A coragem está no homem

A força também está

Para vencer a situação

O homem precisa lutar

Sem medo dos obstáculos

Para glória alcançar.

***

Nos olhos a vontade

Nas palavras a esperança

Com muita determinação

E também confiança

O homem seguiu tranquilo

Em busca de bonança.

***

Vencer o invencível

Foi a meta na vida

Padeceu dores cruéis

Na sofrida e pesada lida

Agarrado pela correnteza

Tombou pela divina justiça.

***

Aos amigos de jornada

Um sentimento deixou

Mesmo fragilizado na carne

Grato suportou

Para o céu se foi

Morar ao lado do Senhor.

***

Esta é a lembrança que tenho

De um amigo companheiro

Que partiu para o outro plano

Lutando feito guerreiro

Cumpriu com a sua missão

Para agora evoluir noutro reino.

***

Ficou dele o mágico sorriso

Pelos campos deixou alegria

Embelezado pela coragem

Distribuiu aos amigos simpatia

Nos corações dos parentes

Fertilizou com a mais pura magia.

Comments are off for this post

Puxa Saco – História de Sertanejo

out 12 2016 Published by under Cordel, Vídeos

Assista ao Vídeo:

História de Puxa Saco

***

Nos atuais dias

Rico anda culundriado

Se senta em uma mesa

Vinte cabras arrodeados

Colocaram até apelido

São os famosos puxa saco.

***

Essa história de bajulação

É algo que seduz

Para se ter uma ideia

Bem antes da famosa cruz

Doze homens se sentaram

Para servir Jesus.

***

Ouvir isso de um ébrio

Homem irreverente

Matuto por natureza

Chamou bate de frente

Na palavra é gênio

Pois tem um gogó quente.

Comments are off for this post

O Sertão está em mim – Poema

out 09 2016 Published by under Cordel, Vídeos

Assista ao Vídeo:

O Sertão está em mim

***

A terra arde em fogo brando e constante

Queima o solado dos pés ásperos

Sertão das estações definidas

Prados de cabras arretados

Aromas de terra molhada

Suave gosto dos frutos adocicados.

***

Atiça a imaginação um lugar assim

Suas flores são doces como as cores

Seus frutos com sabores aromatizados

Raízes profundas a penetrarem n’alma

Dia de verão sempre iluminado

Clima que preconiza a suave calma.

***

Da terra brotam robustos seres

Da terra nascem imponentes árvores

Da terra germinam o sustento

Da terra cresce um aguerrido povo

Da terra para terra sempre

Da terra fértil para um ciclo novo.

***

Sertanejo nasceu no Sertão

Homem que não foge à labuta

Cresceu na dificuldade do torrão

Com bastante fé e luta

É nesta terra o aguerrido leão

Que só mesmo Deus o julga.

***

O artista nato canta seu lar

Enaltece as belezas pujantes

Com doces palavras faz soar

Notas finas e delirantes

Para toda eternidade exaltar

Sua pátria fulgurante.

***

Por isso declamo minha terra

Um paraíso chamado Sertão

Amor de filho grato

Que badala no coração

Sentimento puro e sincero

Mais forte até que a paixão.

Comments are off for this post

A Ambição – História de Sertanejo

out 08 2016 Published by under Cordel

Assista ao Vídeo:

A ambição

***

É cada coisa que se ver

Neste mundo de meu Deus

Só mesmo vendo para acreditar

Na história que se sucedeu.

***

Numa cidadezinha do Sertão

Onde a vida dos outros interessa

O que passa corre em ouvido

Sorridente e com pressa.

***

Nesta terra como em outras

Os pecados vibram alados

Pulsam nas mentes e corações

Fazem dos seres meros coitados.

***

Uma mulher viu sentar

Um novo e afeiçoado cliente

Candidata a vereadora

Não se atentou para o evidente.

***

O homem de muita astúcia

Malandro por natureza

Entrou predeterminado

A usar de esperteza.

***

A coitada da mulher

Confiante no voto

Deu duzentos reais

Na esperança do pódio.

***

Deu também comida

Deu cerveja gelada

Deu sobremesa

Deu até carne assada.

***

O homem satisfeito

Com a pança forrada

Tendo o bolso gordo

Foi cumprir com o combinado.

***

Para azar da mulher

Ou sorte quem sabe

O amigo do homem adentrou

Para dizer a verdade.

***

Aquele malandro que aqui almoçou

Que bebeu de graça

É amigo meu

Vota em outra praça.

***

A mulher triste

Sem saber o que fazer

Desanimada ficou

Pois sabia que iria perder.

***

Quando as urnas foram abertas

Com o resultado nas mãos

Coube a mulher chorar

O esforço todo em vão.

***

Pois saiba, candidato

Gente nunca foi gente

Não espere voto nem de amigo

Quanto mais de parentes.

***

Um voto custa muito

Rouba a paz e o sossego

Acaba com a saúde

Levando ao desemprego.

***

Antes de se candidatar

Reflita no meu recado

Não entre nesta furada

Pule fora deste barco.

Comments are off for this post

História de Sertanejo – Falar é fácil

out 08 2016 Published by under Cordel

Ouça o Áudio:

Falar é fácil

***

Antes de sair por aí

A falar que vai fazer

Prepare primeiro uma cama

Macia e perfumada

Compre também um mosqueteiro

Adquira um ar-condicionado

Reserve uma gorda poupança

Tenha uma digna profissão

Levante seu quarto

Como acontece no casamento

Requer primeiro o esforço

Uma história de superação

E bastante talento

Aqueles que sonham

Preguiçosamente vendo a vida

Passar diante dos olhos

É como um papagaio

Fala sem saber o que diz

Diz o que não se realizará

Como na vida é no casamento

Antes da noiva

Antes de dizer palavras

Tenha um belo passado

Prepare uma cama

Para não cair do cavalo.

Comments are off for this post

História de Sertanejo – Dinheiro Correndo

out 08 2016 Published by under Cordel

Assista ao Vídeo:

Dinheiro correndo

***

De uma simples pergunta

De uma modesta indagação

Sem querer surge aos ouvidos

Uma engraçada criação

O fato que narro a seguir

Se deu na secura do Sertão

Com um homem qualquer

Artista por profissão

Tudo começou assim

Em conversa de irmãos

Vi falar que em sua cidade

Dinheiro corre de roldão

Na ponta da língua afiada

O outro responde com imaginação

Corre tão rápido o danado

Que não consigo ver um tostão.

Comments are off for this post

Música de Vaquejada

Quem escreve versos, com certeza, compõe músicas. Desta forma montei um sugestivo poema em homenagem ao esporte raiz do Sertão, a Vaquejada. Como ando no labor dos treinos para tocar violão, fiz do poema uma música. Não sou profissional em nada, apenas gosto dos meus desafios. Este vídeo é fruto da minha evolução como artista, tanto na filmagem, na fotografia, na escrita e agora na música. Quanto mais eu aprendo, mais desejo aprender. Espero que gostem. Se não gostarem, não faz mal, faz parte.

Música de Vaquejada

***

Sou um vaqueiro experiente

Filho de um nordestino

Vaqueiro de muitas glórias

Seguidor de um destino

De ira atrás de Vaquejada

Derrubando boi na faixa

Com alegria de um menino

***

Solte o boi deixe correr

Solte o boi e não bezerro

Sou vaqueiro afamado

Que trabalha o dia inteiro

Pegar boi pelo cabo

Puxar jogar por lado

Fácil como um carneiro.

***

Quando eu vejo o animal

Saindo pelo portão

O corpo treme todo

Acelera o coração

Disparo o meu cavalo

Pego o bicho pelo rabo

E faço rolar pelo chão.

***

Minha vida é Vaquejada

Sou um homem do Sertão

Nasci comendo cobras

Cresci domando alazão

Tenho mulher, tenho filhos

Vivo sempre em perigo

Por honrar a profissão.

Assista ao Vídeo:

Comments are off for this post

Poesia de Cordel a Paramirim

set 19 2015 Published by under Cordel, Poesia

Poesia de Cordel a Paramirim

***

Paramirim é minha terra

E não tem outra igual

Nasci as margens de um rio

Dentro de um arraial

No terreiro dos Ribeiros

Na sombra do juazeiro

Em um abraço fraternal.

***

O rio pequeno desce a serra

Rasga o monte em cachoeiras

Fertiliza com suas águas

A terra endurecida e seca

Do lindo vale do Paramirim

Que é lindo para mim

Como uma ave fagueira.

***

Antônio padroeiro

Protetor inteligente

Paramirim pulsante

Nos seus olhos atraentes

Aurora de um dia

Bate forte e irradia

O amor por esta gente.

***

A luta do seu povo

Fez nascer uma barragem

O sonho da agricultura

Murchou por falta de vontade

Cheio o lago do Zabumbão

Padeceu a roça de feijão

Sobre a anemia da coragem.

***

O folclore colorido

No bumba-meu-boi estampado

Nas procissões dos festejos

Nos sons dos reisados

A cada dia desaparece

A alegria se esquece

Pois não são mais representados.

***

Um município de luz

Uma cidade abençoada

Com a Pedra da Santana

Na Cachoeira do Catuaba

O Balneário a correr

O povo a se satisfazer

Nas várias fontes de água.

***

O que dizer de ti, Paramirim?

Quais palavras devo usar?

Sou grato digo e repito

Com frases vou expressar

 Cheias de aromas e mel

Incrustadas no papel

O amor por ti exaltar.

Comments are off for this post

Older posts »