Archive for: janeiro, 2016

O jovem que não acreditava em Deus

jan 31 2016 Published by under Contos

O Universo é gigantesco, segundo os cientistas, ele continua a se expandir constantemente. Seus mistérios acalentam os sonhos de muitos indivíduos que param para contemplar tamanha possibilidade de sons, cores e formas. Se a vida estrelar se fizesse apenas no planeta Terra, por si só já seria estupenda a criação. Um simples passeio em um bosque, nele poderemos ver tantos fenômenos que fariam nossos neurônios ferver por não termos respostas satisfatórias para as primeiras inquirições.

Para que o pão chegue à nossa mesa, muita energia fora gasta em seu trajeto de criação. O bezerro nasceu fruto do acasalamento do touro com a vaca. Cada situação exige um autor, ou para cada efeito há uma causa. Não germina efeito sem causa tampouco causa sem efeito. Se algo existe, é sabido que também vive uma história de nascimento.

Em certa cidade, em dada família, vive um adolescente que se diz não acreditar em Deus. Para ele este negócio de um Ser soberano não cola. Os pais muito preocupados sempre buscaram meios para mudar o pensamento convicto do garoto. Convidaram padres, pastores, psicólogos e até um psiquiatra. Não teve jeito, a índole do menino era firme igual a concreto.  Irredutível, refuta acreditar nos pareceres que não se podem verificar racionalmente, é um verdadeiro cético.

Estava em um momento qualquer, um homem sentado em um banco, tinha seus cinquenta e poucos anos, bem afeiçoado, dava pinta de ser professor. O pai do jovem da nossa história passava pelo local. Eram velhos conhecidos. Parou para ter um dedo de prosa, como dizem por estas bandas do Sertão.

- Estevão, o senhor por aqui – disse o pai do jovem.

- Estou aqui pensando na vida. O senhor viu como Deus é generoso com a nossa terra. Que chuva boa foi esta da madrugada.

- Realmente. Uma chuva que revigora a esperança do sertanejo.

- Quando Deus quer, tudo é possível.

- Deus? – indagou ironicamente o jovem. – Você também com este negócio de Deus? Se Deus existisse, sequer seca teríamos que passar. Se Deus existisse, não haveria fome pelo mundo. Se Deus fosse o que todos falam que é, o mundo seria de paz e de amor. Deus é uma invenção do homem. Não acredito em Deus. Tudo que acontece há uma pessoa para afirmar que foi a vontade de Deus. Se alguém morre em um acidente, foi porque Deus quis. Se alguém passa no vestibular, foi Deus que obrou. Tudo na vida é de responsabilidade de Deus. A vontade das pessoas é anulada pela existência de Deus.

- O jovem tem pensamento. Encantei-me com a sua postura. Gostaria de se sentar para debatermos um pouco. Sempre podemos aprender um pouco mais, simplesmente, dialogando.

- Você fica mais o Professor enquanto eu vou ao supermercado fazer as comprar – disse o pai.

- Quando eu era da sua idade, ou um pouco mais velho. Você deve ter uns dezesseis? Dezessete. Eu tinha dezenove naquela época. Perdia tempo em imaginações que não me levava a lugar algum. Meu maior medo era morrer. Já parou para pensar na morte de si mesmo? Todos poderão morrer um dia, jamais a gente. O mundo sem mim, como seria? Eu sem as belezas do mundo? Quase enlouqueci. Minha cisma maior era com a morte; Deus não era um real empecilho para a minha vida. Se Deus existisse ou não, não faria a menor diferença. Mas a morte minha seria o fim de tudo. E isso, eu não o queria nunca.

- Se Deus existisse, a morte não existiria – afirmou o jovem.

- Deus é tão inteligente que até nisso Ele foi eficiente. Já pensou em um mundo perfeito? Qual seria a razão da existência da vida? Se eu soubesse todos os segredos do universo, qual seria meu novo desafio? A vida só tem sentido porque temos imperfeições a ser corrigidas. A culpa de existir a fome é mais nossa do que de Deus. Observe que nosso egoísmo criou os ricos e os pobres. A perfeição do mundo é justamente ser ele imperfeito. Se não pudéssemos impor transformações, não seriamos nada, no máximo uma rocha inerte e morta.

- As suas palavras não irão mudar minha convicção – disse seriamente o garoto.

- Façamos deste momento um simples bate papo. Creio eu que você também não conseguirá fazer com que eu abandone minhas convicções para abraçar as suas.

- As religiões criaram Deus como forma de se darem bem diante da sociedade. Elas querem o dinheiro dos fieis. Para isso falam em nome de Deus, como se elas próprios fossem o próprio Deus em carne e osso. Não posso aceitar. São todas hipócritas.

- De fato muitas pessoas ligadas às religiões aproveitam para tirarem vantagem da situação, mas se não existisse esta ideia de Deus na sociedade, tenha certeza, a vida social seria uma catástrofe. Deus é o freio do mundo. O ser humano tem medo da força de Deus e não reverência ao amor incomensurável do dono da criação.

- Digamos que Deus realmente exista. Responde-me apenas uma indagação. Se conseguir explicitar razoavelmente, mudarei de opinião. Se Deus é o todo poderoso, criador do Céu e da Terra, quem, ou o quê criou Deus. Como o senhor mesmo disse: cada causa tem um efeito.

- Como minha inteligência é limitadíssima; reconhecendo eu que sequer sei o básico de matemática; sendo minha pessoa nada diante ao espetáculo universal; como poderei eu saber uma resposta para tamanha indagação? As respostas estão soltas pelo cosmo, há tempo para cada colheita. Muito do que para nós atualmente é verídico, no passado sequer imaginavam ser possível um dia descortinar a descoberta. Estamos no caminho da evolução. Essa é a graça da vida, evoluir, aprender, conhecer, para quem sabe um dia termos um maior entendimento da magnitude de Deus.

- O senhor fala bonito, tem pinta de filósofo. Talvez seja plausível idealizar um Deus para reger esta multidão de bestas-feras, até conveniente para uma aparente paz, contudo acreditar nas leis e formas como nos são servidas, faz-nos meros fantoches abestalhados. Muitos não tiram a palavra Deus da boca um segundo só, não acredito que sejam eles santos; desejam passar obediência, na verdade vivem atolados em dúvidas. Hipócritas!

- Realmente. O ser humano se reverte por indumentária para tapar a feiura que o domina. O que vemos quase nunca reflete a realidade. A sociedade é um palco em que a população encena uma dramática e cômica peça teatral. Para sobressairmos usamos a palavra de Deus no reboco de nossa morada e no interior revestimos com as sutilezas de Lúcifer. A natureza social é uma piada.

- Todos querem parecer algo que não os são. Usam o nome de Deus para se engrandecer, para tirar proveito da conjuntura. Eles desejam Deus para seu bem próprio. Vivem de orações em busca de conforto material, de sucesso no relacionamento, de gozo em saúde. O que eles buscam em Deus são as benesses para suas fracassadas vidas. Enquanto poucos têm muito, muitos têm quase nada. Caso Deus existisse, não seria da vontade Dele um ato ignóbil com o que acabo de relatar. Há muita crueldade no mundo para que nele caiba um verdadeiro, bondoso e justo Deus. Desculpe-me, mas estou longe de acreditar neste Deus criado por vocês.

- Em meio há tantas perversidades humanas é sábio questionar, todavia devemos lembrar que o ser humano é um animal como todos os outros. Somos dotados de instintos, um deles nos governa com maior intensidade, o da conservação. Somos dominados pelo medo: pelo medo da perda, pelo medo da falta, pelo medo da visão da sociedade, pelo medo da morte…

- Não, não, não! Somos dominados pela dúvida. É difícil encontrar uma pessoa que relate piamente a verdade que o domina, elas carregam em si o pavor da reprovação do grupo em que se encontra. Por eu ter assumido minha posição de não acreditar em Deus, todos querem me crucificar, apenas por não está de acordo com os preceitos estabelecidos por outrem.

- Quando iniciamos nosso bate papo, pensei que a sua revolta estava na sua situação social. Por ser jovem, pensava eu que você desejasse possuir bens para saborear uma vida mais confortável e cheia de prazeres. Percebo que eu estava totalmente equivocado. Ter muito dinheiro, carro de luxo, tempo para ser gasto em festas e jogatinas, é o que a grande maioria deseja e sonha.

- Isso tudo faz brilhar meus olhos. Gostaria sim de ter essas coisas a meu dispor. Como não acredito em Deus, como não vejo muita esperança na vida, pelo menos pudesse eu desfrutar dos elementos bons que a existência humana, no momento, nos apresenta. Não é fácil para um jovem ver outros em melhor situação, gozando as delícias simplesmente por carregar no bolso o soldo da felicidade.

- Você está em que série? Já entrou para faculdade? Tudo indica que é muito competente no que faz e no que vier a fazer.

- A sala de aula é uma chatice só, um nojo. Não tenho empolgação, visto que não vejo perspectiva para meu futuro. Para que impor esforço, se no final seremos derrotado? Preciso de uma luz para que eu saia deste abismo em que me encontro. Talvez seria melhor ser como todos: viver iludido, fingir felicidade, sorrir sempre, cantar em pleno velório… Não sei ser falso comigo mesmo, ainda não aprendi a mentir para mim mesmo. Que adiantaria viver em um picadeiro cômico de um circo de quinta categoria? Neste mundo já há tantos palhaços que mais um menos um tanto faz, não faz diferença alguma.

- Busque o conhecimento, seu espírito carece respostas, então aprofunde-se nos livros. Não seja um inútil, não gaste seu precioso tempo com banalidades. Se Deus existe ou não, isso agora não podemos saber; quem sabe no futuro; mas tentar entender o mundo o qual estamos inserido é talvez a maior virtude e o maior duelo que um ser pensante tem como meta. Não seja ignorante ao ponto de ignorar o aprendizado, não digo esta fantasia de diplomas, sim, o verdadeiro saber. Quando se busca por respostas, quando fertiliza o cérebro, quando deixa de ser um cachorro, as linhas da vida começam a se ligar em uma teia infinita, um quebra-cabeça que será a energia para a nossa eternidade. O sentindo do homem pensante é pensar, é desvendar a cortina que tapa os sentidos, é adentrar na escuridão trevosa em busca de uma luz no fim do túnel. Você precisa se encontrar consigo mesmo. A vida lhe oferece vários caminhos, caberá a você escolher o melhor, ou se preferi, continuar a ser levado nas calmas ondas desta sua jangada sem sal e sem açúcar. É preciso acordar. Você não acredita em Deus, mas vou lhe dizer uma singela frase: “Foi Deus que me colocou em seu caminho”. Ele sabe do seu potencial, por isso Ele não deseja perder uma das suas boas ovelhas. No começo será difícil, contudo com o passar dos passos tudo irá se clarear paulatinamente. Seu pai vem chegando. Você precisa ir.

- E aí, como foi o bate papo? – indaga o pai do jovem sorridente, nas mãos levava algumas sacolas com as compras. – Por favor, filho, leve algumas. Já não sou mais um jovem.

- Claro, pai.

- Seu filho é um tesouro que em breve brilhará. Ele só precisa de um rumo, de algo que desabroche dentro da agonia que comprime o coração. Os caminhos estão soltos pelo ar, jovem. Busque o seu com afinco. O propósito maior da vida é a evolução do ser. Lembre-se sempre: o conhecimento, o conhecimento, o conhecimento. Até mais ver.

- Muito obrigado por ter sido franco comigo – disse o jovem. – Espero que voltemos a conversar novamente.

- Procure-me, pois adoro conversar. Como eu lhe disse antes: “Dialogando sempre aprendemos algo mais”. Vão com Deus.

- Obrigado, professor – disse o pai do jovem.

Com um vulcão dentro da alma, pela primeira vez na vida, o jovem não rebateu o nome Deus. A vida segue seus pareceres. As mudanças necessitam acontecer para que cresçamos. A Energia Vital possui seus mecanismos para reajustar a magnifica obra.

Comments are off for this post

Poema – Ser Feliz

jan 29 2016 Published by under Poemas

Ser Feliz

***

Se eu estivesse aí

Você seria feliz

Se você estivesse aqui

Eu seria feliz

Se nós estivéssemos ali

Nosso mundo seria feliz

Se não fosse a vida como Deus quis

Ninguém seria feliz.

Comments are off for this post

Música em homenagem a Romaria de Canabravinha

jan 29 2016 Published by under Músicas, Poesia, Vídeos

canabravinha-do-alto-1

O Site Focadoemvoce.com vai chegando ao seu décimo ano de criação. A data de aniversário coincide com a Romaria a Canabravinha, foi naquele festa, no ano de 2006, que demos os primeiros passos com o nosso projeto. Crescemos juntos; olhando para as postagens daquele começo, percebemos que com o estudo, com a vontade, com a dedicação foi se aprimorando a técnica. A vida só tem sentido quando temos um sonho, um caminho a seguir, um vazio a ser preenchido. Fizemos esta canção em homenagem a Romaria de Canabravinha, em referência aos dez anos do Site. Como já afirmamos em outras postagens: “Quem escreve poemas, compõe músicas”. Não somos profissionais em nada, o que gostamos são dos nossos próprios desafios. A vida segue, o caminho também, já estamos idealizado novos projetos. Esperamos que gostem do nosso trabalho exposto aqui, caso não esteja à altura do ilustre visitante, paciência, pois colocamos o máximo de nós na obra em si. Canabravinha merece ser reverenciada sempre.

Assista ao Vídeo da Música Romaria a Canabravinha:

Música – Romaria a Canabravinha – Por Luiz Carlos Marques Cardoso (Bill)

Ô Romeiro não se esqueça

De primeiro de fevereiro

Vamos a Canabravinha

Na festa da Padroeira.

Bis

Nossa Senhora da Graça

Mãe eterna de nossos vidas

Proteja os visitantes

E dê a eles muita alegria.

Bis

Peça a ela um pedido

Faça a ela uma promessa

Espere por suas graças

Acompanhe nossa reza.

Bis

Canabravinha é uma terra

Abençoada por Deus

Nossa Senhora da Graça

Abençoa o filho meu.

Bis

Vamos, vamos, minha gente

Aplauda com maestria

O boi e os caretas

O querido e a querida.

Bis

A Lira, a Filarmônica

A nossa Bandinha

Todos agricultores

Da nossa Canabravinha

Bis

O vigário diz amém

O leilão vai começar

O mastro lá vem vindo

Com os fogos a estourar.

Bis

Para encerrar a festa

Os devotos em procissão

O andor levado ao alto

Muita fé e devoção.

Bis

Agora daremos adeus

E o próximo ano esperar

Para voltar a Canabravinha

E a Santa adorar.

Bis

Comments are off for this post

Escravos modernos

jan 06 2016 Published by under Crônica

Quanta luta empenhada na libertação dos escravos, foram tempos difíceis, mas necessários para a evolução do amor e da boa convivência na sociedade. Nos atuais dias, neste capitalismo desenfreado, desembestado e malogrado paira sobre os indivíduos uma neblina que embriaga os sentidos. Somos escravos modernos, escravos satisfeitos com a servidão imposta pelo sistema vigente. Somos servos cativos sem ao menos nos darmos conta do tamanho das correntes que nos enrolam e nos aprisionam.

O escravo moderno levanta cedo, trabalha feito um condenado, troca o feriado por bonificação, vende as férias. O escravo moderno rouba, furta, usa de artimanhas para se dá bem. Tudo que um bom escravo moderno deseja é possuir em demasia. Um automóvel é pouco, dois é pouco, dez é pouco, tudo é pouco para a ganância de um ser que acha que possuir o colocará no topo social. Quero uma mansão, quero um apartamento, quero uma casa na praia, quero sempre mais. O escravo moderno dará a própria vida para adquirir os supérfluos. Carrega no braço o relógio de marca, no pescoço corrente de ouro, um óculos da moda, roupa dos ídolos bolas de soprar. O Escravo precisa angariar aquilo que nunca irá usufruir, pois todos nós temos limites, somos limitados.

Os tempos da tecnologia criaram seres dependentes por novidades. Cada lançamento um alvoroço, um corre-corre, filas gigantescas. Somos ou não somos escravos modernos? Faremos de tudo pelo celular de última geração, de tudo mesmo, muitos venderão a própria alma. Transformamo-nos em escravos dos bens materiais. A TV nos governa, o carro nos cobra acessórios fúteis, a sociedade nos obriga a estar onde o gasto é o primeiro requisito. Precisamos ostentar para satisfazer nosso ego de escravo obediente. O que possuímos vale mais do que nós mesmos. As atenções, os holofotes, são todos para o fascínio daquilo que o dinheiro pôde comprar. O si se perdeu no lamaçal dando holofotes apenas as preciosidades frívolas do material.

As pessoas desatentas, cegas pelas regras do capital, não conseguem visualizar o princípio basilar do sistema que nos oprime. Este sistema deseja que a sociedade toda consuma muito, que todos tenham muitas propriedades, que todos paguem bastante impostos. O escravo além de fazer as engrenagem do capitalismo girar com a força dos braços, ainda mantém com o seu suor a máquina governamental. Se tenho três veículos, três IPVAs deverei pagar ao ano; se tenho quatro casas de luxo, quatro IPTUs sou obrigado a quitar no decorrer de doze meses. Neste jogo de gato e rato, quanto menos patrimônio tiver, menos dor de cabeça terá para mantê-lo. O escravo moderno não trabalha para satisfazer as suas necessidades, labuta apenas para sustentar o mundo fantasioso que o obrigaram a dá vida.

Vale a pena lembra-se da famosa cena da caverna relatada por Platão em um dos seus clássicos livros filosóficos. Acostumamos a ver apenas aquilo que os sentidos apontam, esquecemo-nos de inquirir a razão. A vários fatos que nos levam a crer que para uma vida menos atribulada é preciso que cada um corrija seus extremos se posicionando na mediana das vontades e das necessidades. Fujamos dos vícios e da preguiça. O valor maior da obra somos nós mesmos, o restante só possui valor porque existimos, sem a nossa presença, a matéria perde todo o seu poder de fascinação.

Comments are off for this post