Archive for: setembro 19th, 2015

Poesia de Cordel a Paramirim

set 19 2015 Published by under Cordel, Poesia

Poesia de Cordel a Paramirim

***

Paramirim é minha terra

E não tem outra igual

Nasci as margens de um rio

Dentro de um arraial

No terreiro dos Ribeiros

Na sombra do juazeiro

Em um abraço fraternal.

***

O rio pequeno desce a serra

Rasga o monte em cachoeiras

Fertiliza com suas águas

A terra endurecida e seca

Do lindo vale do Paramirim

Que é lindo para mim

Como uma ave fagueira.

***

Antônio padroeiro

Protetor inteligente

Paramirim pulsante

Nos seus olhos atraentes

Aurora de um dia

Bate forte e irradia

O amor por esta gente.

***

A luta do seu povo

Fez nascer uma barragem

O sonho da agricultura

Murchou por falta de vontade

Cheio o lago do Zabumbão

Padeceu a roça de feijão

Sobre a anemia da coragem.

***

O folclore colorido

No bumba-meu-boi estampado

Nas procissões dos festejos

Nos sons dos reisados

A cada dia desaparece

A alegria se esquece

Pois não são mais representados.

***

Um município de luz

Uma cidade abençoada

Com a Pedra da Santana

Na Cachoeira do Catuaba

O Balneário a correr

O povo a se satisfazer

Nas várias fontes de água.

***

O que dizer de ti, Paramirim?

Quais palavras devo usar?

Sou grato digo e repito

Com frases vou expressar

 Cheias de aromas e mel

Incrustadas no papel

O amor por ti exaltar.

Comments are off for this post

Adeus extintor

set 19 2015 Published by under Zé do Bode

extintor-1

Quanto tempo demorou para os especialistas reconhecerem que o extintor é um objeto inoperante dentro de um automóvel? Será que o interesse era o de obrigar os brasileiros a comprar tais objetos? Quem de fato lucrou com todo esta venda? Seria um parente ou um amigo de algum político famoso? Em outros países o extintor é peça obrigatória nos veículos? Se seu carro pegasse fogo o que você faria? Correria? Usaria o extintor? Você saberia manusear tal objeto? Não? O governo pensa que temos caras de palhaço? O que você acha da atitude dos nossos governantes? Será se eles gostam mesmos de nós? Além do extintor o que mais pagamos que não presta para nada? Não estaria na hora de uma faxina? Para que tantas leis mesmo? Seu dinheiro está curto? Quantos pães não comprariam com a grana desembolsada para o extintor? Uma vergonha? Falta vergonha na cara dos que governam? Será se no planalto há neste exato instante um louco pensando loucuras para impor aos brasileiros? Com certeza? Diga a verdade: o Brasil é lindo? Sim? Mas a safadeza nos envergonha, você não acha? Será que a motivação da não obrigatoriedade do extintor se deu pelas medidas arbitrárias que o governo toma em outras áreas para surrupiar o suor da nação? Um extintor a mais neste momento conturbado não seria a gota d’água que faltava para uma grande explosão? Muitas perguntas, você não acha? E as respostas por onde andam? Se você as tiver, por favor, deixe-as aqui?

Crônica de Zé do Bode.

Comments are off for this post